Cadastrar-se
NOSSA PRÓXIMA
TRANSMISSÃO
INICIARÁ EM:
Você está aqui: HomeMensagemA PERSPECTIVA DA CRUZ NA FAMÍLIA

Autores

A PERSPECTIVA DA CRUZ NA FAMÍLIA

LINK PARA DOWNLOAD - http://www.4shared.com/mp3/OPW1orR0ba/4278.html

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32.

Se você está à procura de uma fórmula para criar filhos e uma família perfeita, sem defeitos ou problemas, simplesmente desista, pois tanto a fórmula quanto essa família ideal não existem.

Por que? Por conta do pecado que entrou na raça humana e desvirtuou toda a criação. Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram. Romanos 5:12. O grande problema da humanidade é querer idealizar tudo, inclusive um modelo de família. E faz isso, a partir da razão, mediante conceitos humanos, para atender a desejos egoístas.

O problema não está no outro, mas em nós mesmos. Antes de qualquer coisa, precisamos ter a revelação do diagnóstico de Deus a nosso respeito. As Escrituras dizem que nascemos com uma natureza má e perversa, rebelde a Deus, extremamente egocêntrica e que busca o seu próprio interesse. ... não há quem entenda, não há quem busque a Deus. Romanos 3:11.

Portanto, enquanto essa natureza adâmica (herdada de Adão) não for substituída, o velho homem continuará dirigindo a nossa vida. E, nesse caso, continuará buscando a satisfação de interesses pessoais egoístas, em detrimento dos interesses da família.

É possível fazer algo para melhorar essa natureza adâmica? Não. Ela não pode ser melhorada. Ela precisa ser substituída por uma nova vida. E isso quem faz é Deus. Somente Ele pode trocar essa natureza adâmica por uma divina. A Boa Notícia é que Deus, em Cristo Jesus, já realizou essa obra na cruz do Calvário, nos atraindo e nos unindo espiritualmente em sua morte e ressurreição.

Somente a natureza do Alto (e não do auto), ou seja, a vida dEle em nós, pode transformar radicalmente nossas vidas e nossas famílias. A partir desta nova dimensão, ou seja, Cristo vivendo em mim e eu nEle, podemos compreender o real propósito do projeto de Deus para o homem. Não é possível compreender as insondáveis riquezas de Deus para a família, com uma mente corrompida e poluída pelas distrações deste mundo perverso. O apóstolo Paulo escreveu: Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 1a. Coríntios 2:14.

Não é o ensino religioso ou a moralidade cristã que irá transformar nossas famílias. O Evangelho é a boa notícia para salvar o homem de si mesmo. Deus não pode ser usado para realizar projetos pessoais, nem para satisfação de desejos egoístas. O que precisamos é de uma vida nova. E devemos lembrar todos os dias que não há vida sem Cristo. Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. Romanos 1:16.

Portanto, antes de buscar o bem estar dos filhos, proporcionar uma boa formação acadêmica, dar o que comer ou vestir, precisamos desejar ardentemente a salvação de cada um deles. Não esquecendo que o ato de regeneração é pessoal e intransferível. A grande verdade bíblica é que, se não tivermos uma experiência real de morte e ressurreição, o nosso destino, como também o de nossos filhos, não será a vida eterna, mas o tormento eterno, com ou sem formação acadêmica, com ou sem responsabilidade moral, com ou sem estabilidade financeira.

Em cumprimento ao “ide” de Jesus (Marcos 16:15), é missão dos pais cristãos, apresentarem Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, aos filhos, ensinando-os acerca da soberania de Deus, da suficiência de Cristo e da submissão ao Espírito Santo. Mas, descansando sempre no fato de que a obra de convencimento é dEle.

E o ambiente mais apropriado para ensinar aos filhos sobre Deus e o Evangelho de Cristo é, sem dúvida alguma, a família. Não obstante, a falta de entendimento e revelação (Mateus 22:29) acaba desvirtuando esse propósito, transformando a família num ambiente de cobrança, sofrimento e dor. Sua família é um local de amor, acolhimento, perdão e cura?

A escritora americana Jessica Thompson, em seu livro Pais Fracos Deus Forte, fazendo menção ao seu próprio passado, escreveu uma frase bastante dura, que talvez reflita a experiência negativa de muitas famílias. “A nossa forma de criação de filhos era completamente orientada pela fórmula lei-medo-controle”. Mas a Palavra de Deus nos ensina exatamente o contrário: Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça. Romanos 6:14. No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor. 1a. João 4:18. ... logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim. Gálatas 2:20.

Ao olhar para a cruz de Cristo, podemos vislumbrar a maneira como o Pai deseja relacionar-se com seus filhos. E essa é a atitude que podemos adotar dentro do seio de nossa família. Na cruz, restaurando o relacionamento perdido entre o Criador e a criatura, encontramos o amor incondicional, a graça incompreensível, a verdade libertadora e o perdão restaurador e curador. Esses quatro atributos, presentes na obra redentora de Cristo, funcionam como inspiração e modelo para nossos relacionamentos familiares adoecidos e quebrados, contribuindo para que pais e filhos possam caminhar com esperança, na construção ou reconstrução de uma família que tenha vida e glorifique a Deus, em quaisquer circunstâncias.

a)- Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Romanos 5:8. O Senhor nos amou mesmo quando não éramos amáveis. Com este mesmo amor com que Deus nos amou, é que podemos amar nosso cônjuge, nossos filhos e nossos pais. Todo amor que impõe alguma condição não é amor, mas relação contratual. O amor de Deus é desinteressado.

b)- Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva. Romanos 3:24 (NTLH). Mesmo não sendo merecedores, o Pai nos acolheu em Cristo, para fazermos parte da grande família de Deus. Família não é lugar de julgamento, mas de acolhimento e de segurança.

c)- E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32. Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. João 14:6. A única verdade que pode libertar nossos filhos e nossa família do egoísmo natural do homem e de suas paixões carnais é a verdade do Evangelho.

d)- Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados. Colossenses 1:13/14. O sacrifício de Cristo é suficiente para o perdão de todos os nossos pecados, passados, presentes e futuros. Assim, não existe pecado que não possa ser perdoado. Dentro das famílias, somente o perdão pode restaurar relacionamentos rompidos. Para o cristão, não existe “não perdoar”.

A família é a oportunidade dada por Deus para manifestação do amor incondicional, da graça incompreensível, da verdade libertadora e do perdão curador, por causa da nossa finitude e pelo fato de não estarmos blindados contra as tentações, o pecado e os sofrimentos. Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita. Romanos 8:11.

A mais conhecida de todas as parábolas contadas por Jesus é a do filho pródigo (Lucas 15:11/32). Interessante notar que Jesus usou exatamente uma família para passar sua mensagem. Nela, encontramos um pai, que representa Deus, e dois filhos perdidos. O mais novo, que sai de casa e representa aquele que vive independente de Deus; e o mais velho, que fica em casa, mas representa aquele que vive segundo sua conformidade moral e esforço próprio. Nem o mais novo e nem o mais velho possuem relacionamento familiar. Mas, encontramos um pai que ama seus dois filhos perdidos de forma incondicional, mediante uma graça abundante e incompreensível, perdoando os pecados de ambos, para restauração dos relacionamentos rompidos. A verdade está na palavra de Jesus, que conta a parábola para libertar os judeus da sua hipocrisia.

A família é e sempre foi projeto de Deus. A perspectiva da cruz está na família. Que o Senhor nos dê o discernimento necessário para que a nossa família, longe de ser perfeita, seja sempre um ambiente de amor, graça, verdade e perdão.

Fernando Eduardo Prison.

Por Fernando Prison
Categoria Mensagem
Dom, 17 de Abril de 2016 08:15

1 comentário

  • Link o comentário EDER FARINA Sex, 15 de Abril de 2016 01:59 postado por EDER FARINA

    BOM DIA FERNANDO!
    FIQUEI FELIZ COM SUA PERCEPÇÃO. AGRADEÇO POR TER PALAVRAS CONSOLADORAS E AO MESMO TEMPO MOTIVADORAS PARA NÓS FILHOS DE DEUS E PECADORES...ESTOU LENDO Pais Fracos Deus Forte...QUE SEJA SEMPRE AGRACIADO PELO ESPIRITO SANTO...

    eder_farina@yahoo.com.br

Adicionar comentário


Última modificação em Ter, 19 de Abril de 2016 09:25

Horários dos cultos

Quarta-Feira (Culto de Oração) às 15:00 hrs
Quarta-Feira (Reunião de Oração) às 19:30 hrs
Quinta-Feira (Tempo de Graça) 12:15 às 12:45 hrs
Sábado (Culto de Jovens) às 19:30 hrs
Domingo às 9:30 e às 18:30 hrs

Localização

mapa
Primeira Igreja Batista em Londrina
Avenida Paraná, 76A - Centro
Londrina - PR, 86020-360
+55 (43) 3372-8900
comunicacao@palavradacruz.com.br

icone_rss icone_face icone_twitter icone_vimeo icone_orkut icone_youtube

 

 

Confins da Terra
Home - - Contato
Copyright 2011 - PIB Londrina todos os direitos reservados.